domingo, 8 de abril de 2018

Crescer

Quando, ainda criança, diziam-me que a vida passava rápido demais
Eu assentia descrente 
Já que quinta-feira, dia da festa da Mariana Barbosa parecia estar anos-luz distante. 
Mas o esperado evento enfim chegou.
Assim como uma infinidade de outras quintas-feiras. 
Recordo-me de contar quantos anos restavam até minha formatura do colégio. 
Com meus amigos.
Em um recreio. 
Com as lancheiras lotadas de bolinho Ana Maria.  
Faltava uma uma eternidade. 
Hoje, esses amigos tornaram-se desconhecidos íntimos. 
Infelizmente, não usamos mais lancheiras. 
E o ano enfim chegou.
Meus tempos de escola estão se esgotando. 
Entretanto, tudo que aprendi ao decorrer da jornada permanecerão comigo. 
Lições de história, geografia, literatura, sociologia, biologia
E aquelas que estão fora das apostilas: 
Sociabilidade.
Arte. 
Imaginação.
Nos palcos, tive o prazer de dançar como a Noviça Rebelde
Ser a própria Bela em seu vestido amarelo.
E abrir meu coração por meio de poesias.  
Hoje, ainda criança, digo que a vida passa rápido demais. 
Talvez não nos sintamos preparados para a nova fase que está por vir. 
Mas estamos.
Talvez nos sintamos uma gazela na savana africana que é o mundo real. 
E somos. 
Mas um dia, eu sei, seremos tão fortes, capazes e justos quanto os leões.  

Domingo, 8 de abril de 2018

sábado, 6 de janeiro de 2018

Lidos em 2017

2017 foi um ano diferente. Tive uma decepção amorosa e um episódio nada agradável com álcool. Pulei meu primeiro carnaval. Pensei até demais no futuro. Frequentei a todas as aulas de francês. Fiz e refiz diversos planos. Fui à um baile de formatura como em High School Musical.  Cuidei da manutenção da minha saúde mental e emocional. Dancei zumba sempre que pude. Fui ao show do Justin Bieber (me tornei o que jurei destruir). Visitei a cidade que mais amo no mundo inteiro, Nova York. Vi uma das minhas obras de arte prediletas, Noite Estrelada do Van Gogh, de pertinho. Fiz um tour pela ONU (my future workplace). Comi o melhor pastrami do planeta Terra. Cruzei a ponte do Brooklyn e tomei o famoso sorvete debaixo dela. Assisti Aladdin na Broadway. Passei noites sozinha observando a multidão reunida na Times Square. Descobri minha loja favorita, Strand Books. Também passeei muito com meu pai. Conheci a Ilha de Fernando de Noronha e nela pessoas incríveis. Pude mergulhar nas mais lindas praias, tomar o melhor açaí com tapioca do globo e rir demais com minha mãe e tia. Vi de perto arraias, tubarões, tartarugas, golfinhos e peixinhos em um ecossistema totalmente equilibrado e preservado, fora de cativeiro. Andei muito de bugg. Criei, juntamente com meus colegas de turma, uma miniempresa estudantil. Liderei o sindicato desta mesma empresa. Fui à Bienal. Recebi muitas vezes meus amigos em casa. Promovi aulas de artes e atualidades na minha escola. Participei de diversos projetos. Elaborei uma campanha de doação de livros para uma biblioteca no Jardim Gramacho. Conclui o 2 ano do ensino médio. Comecei a namorar. E, é claro, li bastante enquanto isso. 

Esses foram os livros que me acompanharam durante todas estas peripécias:

Lidos em 2017 📚
1º- Boa noite
2º- A menina dos olhos molhados
3º- Mau começo
4º- Sonata em punk rock
5º- Topless 
6º- Boston Boys 2
7º- Não se enrola não
8º- Um lugar na janela
9º- Paixão crônica
10º- Sentimento do mundo
11º- Antes que eu vá
12º- O menino no alto da montanha
13º- Agora e para sempre, Lara Jean
14º- O leão, a feiticeira e o guarda roupa 
15º- O cavalo e seu menino
16º- Príncipe Caspian
17º- Minha vida (não tão) perfeita
18º- Sonhando a Palestina
19º- Lembra de mim?
20º- Outros jeitos de usar a boca
21º- Lua de mel
22º- À procura de Audrey
23º- Mil beijos de garoto
24º- Um lugar para mim
25º- Turma da Mônica Jovem: Uma viagem inesperada 
26º- Quem pensas tu que eu sou?
27º- Fazendo meu filme (em quadrinhos) 3
28º- Minha vida fora de série 4
29º- Tudo e todas as coisas
30º- Nietzsche para estressados
31º- Sobre(O)Postos
32º- Lonely Hearts Club
33º- A Hard Day's Night
34º- Escola de vilões
35º- Princesa de Papel
36º- O sol também é uma estrela
37º- A origem do Estado Islâmico
38º- Meninos em guerra
39º- O livro dos ressignificados 
40º- Vidas muito boas 
41º- A princesa salva a si mesma neste livro
42º- Extraordinário 
43º- Batman: Ano 1
44º- O capítulo do Julian
45º- A piada mortal

Desejo a todos nós um ótimo 2018. 

terça-feira, 24 de outubro de 2017

Desavisada

Logo eu, uma menina da ciência.
Que sempre acreditei em fatos.
No conhecido.
Naquilo que podemos pesar, medir e estudar.
Perdi-me completamente na cor de terra batida de seus olhos.
"Amor é uma simples combinação de hormônios, sua tola"
Estrogenio.
Serotonina.
Oxitocina.
Tornei-me alguém que descreve os olhos do amado
naquele momento.  
Naquela noite fria e nublada de inverno.
Lembro-me do vento cortante em meu rosto
e das luzes descoloridas da cidade.
Você,
sonhador,
otimista,
que sempre acreditou em destino,
dizia que não deveríamos aceitar menos do que uma grande história.
Que a vida era bela e complexa demais para sermos práticos
Corriqueiros
Acomodados
Assim eu soube.
Pela primeira vez, não consegui explicar o que sentia.
"Só admiração."
Vassoprecina.
Dopanina.
Mas eu sabia

que era amor.

Terça, 24 de outubro de 2017

domingo, 8 de outubro de 2017

Perspectivas

Uma manhã chuvosa de primavera.
Ele, preto e branco, enquanto protege sua preciosa pasta, reclama do temporal. Afinal, molhava sua calça durante o trajeto ao metrô.

Ela, com tantas cores contidas em si e com a ingenuidade de uma criança, encara o céu com um sorriso. Por mais que saiba que suas roupas ficarão ensopadas pelo restante do dia, gosta do cheiro da chuva. Gosta do tom cinza que a cidade adquire, apesar dos inconvenientes causados pela água.

Ela, enxerga a pluralidade da vida. Sente-se grata por sentir a chuva de cores que cai sobre ela e sabe que o sol logo voltará a aquecer aquele lugar.
Ele, preso em seu mundo preto e branco, não percebe o que está acontecendo naquele dia. 
Talvez não consiga enxergar além de sua pequena bolha, por estar tão envolto na rotina, agenda e prazos.
 Talvez apenas não queira sair da zona de conforto de seus pensamentos binários.
Quando lhe perguntam como está o céu naquela manhã, diz que está cinza. 
Como seu guarda-chuva. 
Ignorando o tom roxo das nuvens.
Amarelo, dos primeiros raios da manhã. 
E o rosa do pôr-do-sol que se forma atrás das colinas. 
Perspectivas.
Sexta, 6 de outubro de 2017


domingo, 30 de abril de 2017

Cineac Trianon

Meu avô vendeu seu sítio. Fiquei arrasada. Já estava a venda desde que eu me entendo por gente, mas de alguma forma não acreditava que ele teria realmente coragem de fazer isso. Não conheci os atuais donos da propriedade, mas espero que seja também uma família e que não mudem nada. Nem um detalhe da decoração nem da mobília. E que aproveitem muito, como eu aproveitei. Da última vez que fui lá os empregados já haviam sido despedidos, só tinha restado o caseiro e o segurança. 
Sentirei saudades de todos os cafés da manhãs que mais pareciam de hotel, daquele barulhinho tão especial do rio e também dos mergulhos nele. Daquele clima de montanha e daquela fumaça que saia de minha boca a cada palavra, dos dogs alemães que eu vi crescer, de todos os churrascos e todas as pizzas no pavilhão, da quadra de tênis e de toda travessura que aprontei com meus primos ali, cada caça ao tesouro, cada pique esconde,cada poção que fizemos misturando cosméticos do banheiro alheio, aquela pontezinha da piscina, a cada livro que li naquele friozinho com barulhinho da água do rio correndo e a cada miojo. Fico as vezes pensando como deve ter sido dolorido para a mãe do Cazuza quando vendeu essa casa para nós. Gostaria de procura-la hoje em dia e avisar que fiz bom uso dela, conta-la de dias antes de subir a serra até lá da minha empolgação para deixar essa cidade grande e entrar em contato com a natureza, de todas as frutas que comi direto do pé e de toda calça que ficou manchada por uma pirambera que havia atrás do celeiro. Tomara que aquele lugar alegre os dias de outra criança agora. Faça bom uso como nós fizemos, queridos anônimos novos moradores. E obrigada por tudo Cineac Trianon. 
15 de dezembro de 2014

terça-feira, 3 de janeiro de 2017

Lidos em 2016

Olá, pessoal!
Sim, abandonei vocês, desculpem-me. Mas precisei desse período sabático, não me levem a mal. A notícia boa é que inicio 2017 cantando "eu voltei e agora é pra ficar"! Senti tantas saudades! Dizem por ai que bom filho a casa torna, não é mesmo? 
2016, o período que estive fora, foi um ano esquisito e de muita mudança. Não tão glorioso quanto 2015, mas talvez tão importante quanto. Entrei no Ensino Médio e, naturalmente, a pressão aumentou assim como a carga de matérias, porém, felizmente, passei direto. Fiz 15 anos, ganhei uma festa surpresa maravilhosa. Fui a Bienal de São Paulo, assim como a algumas festinhas. Sofri com a crise do estado, cortei o cabelo, tirei o aparelho. Conheci garotos legais, outros nem tanto. Comecei a andar mais sozinha e me sentir capaz. Morei com meu pai e com meu tio (Riverside <3) e todos dizem que emagreci um pouquinho. Mas o mais importante aconteceu aqui dentro. Foi um ano de amadurecimento, de bater cabeça, de adquirir uma independência maior e me encontrar em meio ao caos. Ainda estou perdida, mas, aliás, não estamos todos? 
Não bati minha meta dos 50 livros, assim como beber mais água, ficará para o próximo ano.  

Janeiro:
1º- Isla and the happily ever after (17/01
2º- Delírios de consumo de Becky Bloom na Quinta Avenida (25/01)
3º- Samantha Sweet, executiva do lar (30/01)

Fevereiro: 
4º- Magnus Chase e os deuses de Asgard (08/02)
5º- A rainha vermelha (12/02)
6º- Garota Online (15/02
7º- La La Land (18/02
8º- Wattpad: Sob o mesmo teto (21/02
9º- Orgulho e Preconceito (29/02)

Março: 
10º- Mocassins e All Stars (31/03

Abril: 
11º- Belo Sacrifício (03/04)
12º- Desculpe, eu moro na Barra (07/04)
13º- Perdida (09/04)
14º- Romeu e Julieta (18/04)
15º- Razão e Sensibilidade (24/04)

Maio: 
16º- Eleanor & Park (11/05)
17º- O oráculo oculto (16/05)
18º- Relato de um náufrago (18/05)
19º- Azeitona (25/05)
20º- O pagador de promessas (25/05)
21º- Billy e eu (28/05)

Junho: 
22º- Como eu era antes de você (05/06
23º- Amor nos tempos de #likes (07/06
24º- A megera domada (10/06)
25º- A sereia (17/06)

Julho: 
26º- Princesa das águas (31/07)

Agosto: 
27º- Garota Online em turnê (08/08)
28º- Uma canção de ninar (17/08)
29º- Os 13 porquês (21/08)
30º- O diário internacional de Babi (23/08)
31º- Era uma vez minha primeira vez (24/08)
32º- Próxima parada (29/08)

Setembro: 
33º- Simples Assim (03/09)
34º- Cabeças De Ferro (06/09)
35º- A garota americana (12/09)
36º- Harry Potter e as Relíquias da morte (18/09)
37º- Para todos os garotos que já amei (28/09)

Outubro: 
38º- Aquele verão (04/10)
39º- PS: Ainda amo você (12/10)

Novembro: 
40º- O Erro (13/11)
41º- Caindo na real (17/11)
42º- Harry Potter e a criança amaldiçoada (23/11)

Dezembro: 
43º- Trem-bala (09/12)
44º- O natal dos Medina-Becker (24/12)

Que em 2017 possamos ser pessoas melhores e que tenhamos bons momentos e oportunidades. Além de saúde, amigos e família sempre ao nosso lado. Tenham um feliz ano novo! Amo vocês e I'm back


terça-feira, 1 de novembro de 2016

A florzinha

A chuva que bate em minha janela se confunde com minhas lágrimas. Sinto saudade dela. Uma saudade sufocante, latente e ela ainda nem se foi. Todas as vezes que penso nas risadas que não vamos mais compartilhar, nas milhas que vão nos separar e nas mensagens num smartphone que substituirão nosso rotineiro beijo de boa noite, parece que minha garganta está prestes a se fechar. Que minha vida está ruindo, pois as estruturas que as mantinha firme estão balançando. Sentirei falta do barulho de alguém na cozinha, das noites assistindo aquela antiga novela no VIVA e o brilho que ela espalha por onde passa. Ela é o sol e chuva. É de fases como a lua. É o arco-íris que por tanto tempo coloriu minha vida e agora vai a procura de novos horizontes. Ela é e sempre será a florzinha mais bonita do meu jardim. 
 Noite chuvosa de sexta-feira, 6 de novembro de 2015
6 dias antes