segunda-feira, 31 de dezembro de 2012

Expectativas Literárias & Especial Ano Novo.

Olá, leitores!
Está todo mundo animado para a contagem regressiva? Estes últimos segundos do ano nos enchem de esperança, não é? Todos querem mudar, se renovar e prometer que fará tudo diferente. E, para me organizar, sempre escrevo expectativas literárias e do dia-a-dia para o novo ano que está por vir. E agora vocês irão conhecer um pouquinho mais dos meus objetivos literários para 2013. 

  • Ler 50 livros no ano. Este ano li 35. Tenso, mas tenho uma explicação, eu fui estudar de manhã e, com isso, no início do ano, eu chegava da escola e dormia, ou seja, não tinha organização nenhuma e, como eu leio de tarde, eu atrasei muito minhas leituras no começo. 
  • Apostar em crônicas. Eu amo livros de crônicas e uma crônica bem feita que o autor pense da mesma forma que eu, então, não tem para ninguém e este ano posso contar dos dedos de uma mão quantos livros do gênero li. Portanto, este ano elas vem com tudo.  
  • Postar mais no blog. Em 2013, não quero deixar que nada atrapalhe o ritmo de postagens no blog. Seja problema pessoal, ou qualquer coisa. Porque sou leitora de blogs e é o horrível quando o blogueiro tem um problema pessoal. Isso acontece, mas farei o possível para que não ocorra com frequência. Mas, devo avisar, não sou uma máquina. Eu tenho vida e nela imprevistos acontecem.    
  • Bater minha meta de leitura. Missão 007. Será tenso bater minha meta de leitura, porém eu vou conseguir. Eu acredito! Todo mundo com pensamento positivo, hein?
  • NÃO comprar livros até esta pilha acabar. A Duda do futuro deve estar rindo de mim agora, mas... Eu pretendo, viu? É impossível para um leitor, ainda mais blogueiro, entretanto eu vou conseguir. 
  • Assistir todas a séries que eu quero. Leia-se: terminar Gossip Girl e Pretty Little Liars. Depois pensar em alguma série para inserir na conta.
É isso. Qualquer coisa eu insiro aqui. No problem. Me conte qual é sua meta de leitura. Deixe links de posts como esse no seu blog, eu quero saber! Comente tudo!  
Enfim, desejo um ótimo Ano Novo para vocês que seja repleto de alegria, paz, saúde e que todos seus sonhos e metas se realizem. Lembre-se que são muito importantes para mim e que qualquer coisa é só gritar. Pois estarei sempre aqui para quem precisar.  Prepare-se para contagem repressiva! 10...9...8...7...6...5...4... Feliz Ano Novo! Que 2012 seja uma lembrança feliz para vocês, pois para mim será, ainda mais, pois passei ao lado de vocês que me enchem de alegria a cada comentário, recadinho, e-mail... Obrigada por tudo. Por isso que eu digo, meus leitores são os mais amados, especias e fofos do Brasil! 

quarta-feira, 26 de dezembro de 2012

The best books of the year

Olá, leitores!
Estou aqui hoje para fazer um post especial, "The best books of the year". Como o título já sugere, vou comentar sobre as melhores leituras do ano! 
Foi muito difícil de selecionar, mas aqui está uma coletânea geral. Pois cada livro tem seus lado bom e ruim, então essa manhã fiz um tour pela minha estante do Skoob, reli minhas resenhas, li todas as sinopses outra vez e ai está o resultado. Espero que gostem!  



"Como (quase) namorei Robert Pattinson" foi minha primeira leitura do ano. Havia me interessado na história e, sem nenhuma pretensão sentei para ler na livraria. Me conquistou desde o primeiro capítulo e fluiu super bem até a última linha. Na Bienal de São Paulo tive o enorme prazer de conhecer a autora que é uma fofa, por sinal. E novamente digo, esse livro conquista até aqueles que não são amantes da Saga de Stephanie. 




Os livros "Sussurro" e "Crescendo" foram, sem dúvida, os melhores livros sobre anjos que já li. A protagonista é fraca, mas o mocinho supera as expectativas. Patch é sem dúvida um de meus maridos de papel. A história te prende e te faz devorar o livro em uma noite, no meu caso. 
Resenhas: Sussurro e Crescendo




Sabe aquele livro que você fica triste quando termina simplesmente porque  queria viver na história? Pois aqui está! O livro é "Anna e o beijo francês". É aquele típico livro fofinho que quando chega ao fim você dá um suspiro e tem vontade de reler, reler e reler. Clima é totalmente exótico, frio e delicioso. A leitura flui e você cai de amores pelo St. Clair (tira o olho, ele é meu marido!), por que não existem garotos como ele na vida real? 





Agitado, leve, cheio de música e romance. Este é "Sábado à Noite" da Babi Diva Dewet. O livro transborda bom humor, jovialidade e tiradas demais! Só não digo que quando termina fica com um sorrisos no rosto, pois, no meu caso, eu me debulhei em lágrimas. Você que leu sabe o porquê. Sim, sim! Nunca disse que não era manteiga derretida! Entrou na prateleira de ouro facilmente! 






Vazia, sim, mas "Prateleira de ouro" sem a Paula nunca! Os livros em questão são: "Fazendo meu filme 4" e "Apaixonada por palavras"  Sendo "Apaixonada por palavras" seu livro de crônicas, posso dizer que terminei-o em um voô Congonhas - Santos Dumont. A leitura é tão suave que... "Ops! Terminei!". Já o fim da série perfeita foi barra pesada ler no meio de lágrimas! Fani e Léo always 






Momento sinceridade: Nunca vi nenhum livro que tenha um assunto tão polêmico ter essa leveza e este gancho que te prende até a última página, mas, é claro, eu ainda não conhecia a Lycia Barros. Ela tem um poder com as palavras e te faz ser arrastado para o meio de sua história. E só ao terminar a leitura você se lembra que não fazia parte da história! "Tortura cor-de-rosa" é um livro apaixonante. Você torce, vibra e defende os personagens! Magnífico! Não é atoa que recebeu essa homenagem!  
Resenha






A "Trilogia Voraz" não pode ficar de fora. A crítica perfeita à sociedade atual contrastado com a distopia de alucinar causa prenda de respiração dos leitores, suspiros e, no meu caso, choro, olheiras e mais lágrimas! "Em chamas" é, sem dúvida, o melhor da série. Também, pudera! No volume conhecemos meu marido, Finnick Odair! Repleto de sangue, sagacidade e mortes. A trilogia Voraz virou minha queridinha! E, momento spoiler de "A esperança" (Passe o mouse por cima da mancha): A morte do Finnick foi mais impactante que a da Prim, na minha opinião. Pronto, falei!  
Resenhas: Jogos Vorazes e Em chamas "A esperança" - Em breve.


Estes foram os melhores do ano. E você? Como está sua prateleira de ouro? Comente aê! Adorarei saber! 
Duda Oliveira

sexta-feira, 21 de dezembro de 2012

Resenha: Em chamas

Olá, leitores sobreviventes! 
Há algum vivo para conferir a resenha de um livro que mudou minha vida? Ah! Que beleza! Então, sente-se, pois preciso compartilhar com vocês mais uma leitura bem sucedida! :) 


Essa resenha pode conter spoilers do primeiro livro da série, portanto, se ainda não leu Jogos Vorazes, recomendo você a levantar desta cadeira agora e ir correndo adquirir seu exemplar. 

Demorei muito para vir aqui fazer esta resenha para vocês, perdão, mas creio que vocês entendem o que é o fim de ano (ou fim do mundo?), corre para cá, compra presente para lá, prova para todo lado e opa!, esqueci de respirar.  Vamos logo a resenha... 

Katniss agora é uma vitoriosa. Dinheiro é o que não falta para a jovem. Dai você pensa, "Uau! Que legal! Agora ela está feliz, parou de reclamar um pouco da vida... Pode se ocupar com outras coisas a não ser dar comida para sua família..." Hahaha Risos para vocês, leitores! Este foi o ponto fraco do livro, o início. O que fez eu adiar esta leitura. Ela é uma chata no início de "Em chamas". Toda sagacidade que ela tinha foi transformada em dinheiro, só pode. Ela reclama da vida mais do que nunca. Não pois não tem nada para comer, mas porque ela tem e a população do 12, não. 
A jovem, depois de estender aquelas amoras-cadeado para Peeta, virou o símbolo de rebelião dos distritos e isso não agradou o presidente de Panem, Snow, que iniciou uma série de ameaças a protagonista exigindo que ela continue seu "romance" com Peeta. 
Neste ano, há uma edição rara dos Jogos Vorazes, o Massacre Quartenário. Acontece a cada conjunto de anos e, nestas edições, a umas pequenas mudanças nas regras do Jogo. Este ano, retornam a arena um par de vitoriosos sorteados. Ai chegamos a parte boa. Os Jogos. 
Peeta e Katniss retornam a arena. Totalmente mudada e mil vezes mais mortífera, agora não mais com crianças assustadas, mas, sim, com pessoas determinadas que sabem direitinho jogar aquele jogo, pois já venceram uma vez e podem muito bem vencer novamente.
Eu amei esse livro! É o melhor livro da trilogia. A narrativa de Suzanne não perdeu o pique e continua ágil, gostosa e sanguinolenta! 
Já os personagens estão mil vezes mais cativantes que os do primeiro livro! Haymith, o bêbado que eu detestava, se mostrou um dos personagens mais sagazes que já conheci! 
Neste volume também conhecemos meu marido, Finnick! Um vitorioso do distrito 4 que se tornou um vencedor com 14 anos, detonando seus adversários com um tridente. Ele é engraçado, ele é lindo, ele é sagaz, ele é atraente, ele é mortífero e pode te matar com apenas um movimento de seu tridente. Ele me ganhou facilmente, desde a primeira aparição, aquele garoto bronzeado e boa pinta, como Katniss narra. 
Outro personagem que eu comecei a odiar foi Peeta. Oh garotinho chato... Mimado, lesado e um peso nas costas de todos os tributos! Deu muitas vezes vontade de dizer: "Fofo, você pensa que é quem? Levanta e corre, retardado! Ou morre de vez e me deixa em paz!". Um pouco bruto, não? Mais foi isso que me veio na cabeça em uma parte que não posso narrar, mas tenho certeza que, se já leu, sabe qual estou falando...
Leitura recomendadíssima! Mas aconselho você a ter um pouco de paciência com início. Que é super arrastado! :) 
Bom fim do mundo para vocês, terráqueos!
Duda Oliveira Odair.       

quarta-feira, 12 de dezembro de 2012

Ases da Literatura

Olá, amores!
Hoje venho aqui divulgar a antologia na qual eu participo. 
Há uns meses atrás, a autora consagrada Lycia Barros, reuniu 20 autores de seu curso de escrita "Fábrica de autores" para juntos participarem de uma antologia que seria publicada em um selo dentro da editora Novo Século. 
Criamos os contos com o tema: "O último dia antes do fim do mundo." 
Cada um dos autores escreveu contos distintos sobre diferentes pontos de vista desta grande catástrofe mundial. 


O ÚLTIMO DIA ANTES DO FIM DO MUNDO


"Vinte visões sobre o último dia antes do fim do mundo. Uma antologia emocionante e surpreendente, que vai fazer você refletir sobre os piores medos, angústias e valores do ser humano. Contos surpreendentes da primeira à última linha que vão abalar suas estruturas, e talvez mudar seus conceitos sobre este suposto cataclismo."   
O lançamento no RJ ocorreu dia 09/12 no Starbucks do Via Parque (Barra da Tijuca). Mas não esquecendo da Terra da Garoa, realizaremos um evento em São Paulo em Janeiro/Fevereiro. Portanto, fiquem de olho nas novidades. 

Confira o booktrailer: 




Para mais informações, basta nos seguir nas redes sociais: 
Facebook: http://www.facebook.com/asesdaliteratura
Site oficial: http://asesdaliteratura.wix.com/home
Skoob: http://www.skoob.com.br/livro/279304 
Autora: http://www.skoob.com.br/autor/7657-duda-oliveira 


sexta-feira, 7 de dezembro de 2012

Cobertura de eventos: Noite de autógrafos com Scott Westerfeld e Justine Lambalestier

Olá, galerinha!
Dia 27/11, a Cidade Maravilhosa recebeu Scott Westerfeld e Justine Larbalestier para uma sessão de autógrafos na Livraria Cultura do Fashion Mall. E eu, é claro, não poderia ficar de fora dessa. Fui até lá e quando cheguei quase cai para trás. A livraria estava praticamente vazia. Nada de filas quilométricas ou algo do gênero. Ok que eu tinha uma noção de que não iria lotar, até porque, as pessoas tem coisas para fazer em plena terça-feira, mas nunca passou pela minha cabeça estar do jeito que se encontrava. Mas não reclamei, pois quando menos fila, melhor, há de convir... 
Chegando a hora de falar com o casal, eu quase gelei! Fiquei com medo haver alguma falha quando pronunciasse palavras no outro idioma. Não que seja leiga no inglês. Que nada! Entretanto também não falo perfeitamente. Sou melhor até compreendendo e escrevendo do que realmente falando.  Mas acabou que não houve nenhum problema. 
Perguntei ao Scott se ele preferia o Rio de Janeiro ou São Paulo, então ele me olhou um uma cara engraçada e disse:
"I liked the two cities, but I like the beach too. And I love Rio de Janeiro."
 Desculpe, paulistas, porém Scott ama minha cidade, o que posso fazer? Hahahaha
Já Justine me contou que era natural da Autrália e disse que a diferença no inglês australiano e americano e muito pouca. 
"In U.S.A. there too much violence in Australia, no.". 
Ambos perguntaram de que time eu era, pois afinal, eles estavam autografando o "Zumbis X Unicórnios", então respondi que estava no time zumbi, óbvio!
Então eu disse: 
"Zombies are terrifying!"
Então Justine olhou para mim e disse: "Terrifying things is cool!"
O mais engraçado de tudo é o Scott tentando falar português. Da Justine nem tanto, pois ela fala espanhol fluente, então ela consegue pronunciar um "portunhol" básico. Por fim, nunca mais vou me esquecer, eles disseram: 
"Duda's a super cute name!"
Não são uns fofos?



sexta-feira, 30 de novembro de 2012

Resenha: Divergente

Olá, leitores!
Pensei até em não resenhar este livro. Sabia que palavra alguma poderia descrever minha emoção após o término do mesmo. Mas isso seria uma certa dívida com vocês. Devem saber por que apreciei tanto a leitura e o porquê Divergente entrou para meus prediletos.
Confesso que não tive empatia instantânea. Li uma resenha achei que deveria ser mais uma distopia desta febre que está havendo em cima do gênero. Até que meu melhor amigo começou a comentar sobre o livro, sobre como estava a fim de ler e etc... E por coincidência do destino eu ganhei Divergente de presente. 
Sabe aquela olhadinha sem pretensão que dá quando está com qualquer livro na mão? Fiz isso... Entretanto a partir dai não consegui interromper a leitura até chegar aos agradecimentos finais. Virei noites e noites lendo até que quando cheguei ao fim, quase cai para trás. A editora Rocco não tem nenhuma previsão para o lançamento de "Insurgente", o segundo livro da trilogia no Brasil. Triste, mas tudo ainda não está perdido. Já encontrei aqui no Brasil o livro em inglês e traduções amadoras na internet. Ok que nenhuma das duas alternativas se compara a ter o livro físico e traduzido, mas entre nada e as opções... Chega de "Blá, blá, blá", vamos ao que interessa. 


O livro é narrado em uma Chicago futurística. Onde as pessoas eram classificadas em facções e cada uma delas cultuava uma virtude que se opunha a um terrível defeito, elas eram: Abnegação, Amizade, Audácia, Franqueza e Erudição. 
E a trama é narrada por Beatrice. Uma menina comum, nascida na Abnegação que sentia que aquele não era seu lugar. Ela não era altruísta, mas, ao completar dezesseis anos, quando cada jovem tinha o direito escolher a qual facção gostaria de servir, trocar de sua facção de origem significava deixar sua família e ter que reconstruir sua vida em outro lugar totalmente diferente. E quando atingiam a determinada idade todos os adolescentes se submetiam a um teste no qual apontava para qual facção você estava mais preparado, porém, ainda sim, tinham o direito de escolher a qual pertenciam. Todavia não era apenas escolher qual grupo queria fazer parte, que estava automaticamente integrando ele. Precisa-se passar por uma iniciação. Caso não consiga passar por essa iniciação, você se tornaria um sem-facção.  A coisa mais terrível que pode te acontecer neste mundo. 
Mas o teste de Beatrice não dá um resultado muito comum, digamos. Mostrou que ela é uma "Divergente", ou seja, seu resultado foi indecisivo. E quando a garota deve escolher qual facção irá pertencer, ela surpreende à todos, inclusive, ela mesma. 
Agora "Tris" deve ser adaptar com o novo modo de vida. Com seus novos amigos e, quem sabe, não viverá um novo romance?
Eu amei o livro. Passei noites em claro com os olhos grudados nas páginas e, no fim, fiquei com gostinho de quero mais. 
Me apaixonei pelos personagens! Quatro é perfeito! Mas, diferente dos outros, a perfeição dele não é meiga, nem gentil, muito menos adorável. Ele é um bad boy, irônico e corajoso que tem valores... Contudo acho que foi sua ironia e seus valores que me ganharam. Ele surgia com cada tirada que eu gargalhava quando era sua fala. Ele me lembrou Patch de "Hush, Hush". 
A trama em si é super animada, mas, é claro, tem o peso da distopia que é quebrada pelo romance e pela narrativa. Tudo no livro é extremamente calculado, a intensidade do romance, o ritmo dos acontecimentos... Bem, virei fã de Veronica Roth, me viciei em seus personagens e amei a leitura intensamente. Ou seja, mais que recomendada. 

quarta-feira, 21 de novembro de 2012

Sessão Pipoca: O Diário da Princesa 2

Olá leitores! Aqui é a Duda de novo! 
Sim, sim, galera! Estou em uma incontrolável fase "Pipoca" ou "Fani", ainda não decidi o nome da minha fase. Só sei que estou assistindo a muitos filmes e adorando isso.  As minhas leituras estão todas em ordem, ou seja, o ritmo das resenhas literárias irão continuar o mesmo. E ainda teremos a presença mais que especial da Lívia! 
Enfim... O filme que vim resenhar hoje é aquele típico filme que todo dia, qualquer hora do dia, você liga sua televisão e ele está sendo transmitido. Nem gosto de falar que é uma adaptação do livro da Meg Cabot, porque a série tomou um rumo totalmente diferente nas telinhas. Mas, desta vez, farei resenha do segundo filme do sucesso O Diário da Princesa. 



Desta vez, Mia está em Genovia. Se formou como foi exigido e partiu para governar um país. Mas, quando nossa pequena princesinha chega lá, tem a notícia que só poderá ter o poder sob Genovia quando se casar. E Amélia tem um prazo de trinta dias para arranjar um bom pretendente e fazer a cerimônia. Como se não bastasse, Mia termina se apaixonando por um rapaz cuja a família quer roubar seu trono. 
Bem, confesso que gostei mil vezes do primeiro filme. Sem dúvidas. Porém Diário da Princesa é sensacional, fala sério! O filme é super bem bolado e eu simplesmente amo a personalidade de Mia. 
Nossas Anne Hathaway e Julie Andrews dão um verdadeiro banho de atuação e adoro como a realeza é retratada. 
Já assisti este filme um milhão de vezes e não me canso. Decoro falas, canto junto com os atores e fico apreensiva como se fosse a primeira vez como telespectadora. Mas, novamente, a adaptação não foi NADA fiel ao livro. Paciência...

segunda-feira, 12 de novembro de 2012

Na Galeria: Anna e o beijo francês.

Olá, meus lindos!
Estou aqui hoje para comentar sobre o último livro que resenhei, Anna e o beijo francês. Juro que não ia escrever este post, mas algo na minha cabeça não sossegou até que eu estivesse aqui, agora, sentada na frente da tela do computador escrevendo a postagem. 
Acho que uma parte de mim se sentiu em dívida com o livro, com os personagens e por todas as sensações maravilhosas que o livro me proporcionou. 
Ainda mais o romance em especial. Pensei, pensei e cheguei a conclusão que na sociedade que  vivemos não existe St. Clair's. As pessoas são vazias. E se não é possível encontrar uma pessoa assim como ele, eu quero criar. Quero educar um futuro filho com a educação que Étienne teve, mesmo que ele não exista. Por que, mesmo imperfeito de diversas maneiras, é o cidadão ideal. 

“[…]A palavra casa não é um lugar, é uma pessoa.”

“Adoro me sentar ao lado dele na aula de física. Encostar nele durante as aulas de laboratório. Sua letra feia nas nossas folhas de trabalho. (…) Adoro sua risada de menino, suas camisetas amassadas e seu gorro de crochê. Adoro seus grandes olhos castanhos e o modo como ele morde as unhas, e gosto tanto do seu cabelo que eu poderia morrer."

Legal que esse não é meu livro predileto na vida, pois acho que há muitos outros que gosto muito e tenho certeza que deve existir outros melhores, porém o clima do livro é único. Li críticas que diziam que o livro é parado, mas achei que as coisas aconteceram na medida que a narrativa permitia e que a trama era como uma bola de neve. Que cada vez que as páginas eram passadas mais viciante se tornava, mais encantada eu ficava. Mas não recomendo ler à noite, especialmente durante um ano letivo. Pois como meu exemplo, quando cheguei ao clímax, não dormi até terminar o livro, o que me rendeu uma boa soneca durante o primeiro tempo no meu curso. Sim... Triste, mas valeu a pena! =)


“Há poucas coisas piores que alimentar sentimentos por alguém que você não deveria.”

“Mademoiselle Oliphant. É traduzido como ‘Ponto zero das estradas da França’. Em outras palavras, é o ponto no qual todas as outras distâncias da França são medidas. […] É o início de tudo.”

“Quanto mais você sabe quem você é e o que quer, menos você deixa que as coisas te chateiem.”

Espero que encerre logo este vazio que estou sentindo, o que é típico, logo após terminar um livro magnífico, que mudou sua vida. E tenho certeza que passará. Não sei se será brevemente ou durará bastante tempo, mas só sei que Anna e o beijo francês marcará esta fase de minha vida. E essa lembrança será eterna. Para me consolar, assim que terminei a leitura do livro, comecei a ler novamente, desde o início, tranquilamente, para ter certeza que o momento que bem entender, Paris, Anna, Étienne e toda a trama, estarão lá, a minha espera. 
Essa tirinha define bem o que estou sentindo: 

sexta-feira, 9 de novembro de 2012

Anna e o beijo francês - Stephanie Perkins

Olá, leitores! 
Estou aqui hoje para resenhar um livro que me deixou sem palavras. Que me tirou o sono por noites e noites e me fez virar a madrugada, Anna e o beijo francês de Stephanie Perkins publicado pela editora Novo Conceito. Já peço perdão deste já se minha crítica não chegar a altura do livro, ou não expressar o que senti durante a leitura, pois acho que palavras não traduzirão o que o livro representa.  


O livro conta a história de Anna, uma jovem que não quer deixar Atlanta onde morava, ainda mais, depois de um caloroso beijo com Toph e não consegue pensar na possibilidade de deixar sua melhor amiga, Bridgette. 
Mas seus pais, mesmo contra-gosto, a enviam para nada mais, nada menos que à Cidade Luz.   
Chegando lá, ela é acolhida por Meredith. Uma menina totalmente fofa que lhe apresenta seu grupo de amigos, contendo dele: Josh, Rashimi e St. Clair. 
E a partir dai, Anna vai aprender o que é o amor tendo como cenário principal a cidade mais romântica do mundo.
Nem sei por onde começar... Acho que vou iniciar citando minha personagem feminina predileta. Além de Anna, eu me identifiquei muito com  Rashimi, não sei por que. Talvez pela ironia... Mas a questão é que desde que ela apareceu a empatia foi instantânea! Acho que sou uma mistura de Anna com Rashimi. 
A trama do livro é sensacional, mesmo que minha sinopse não seja tão reveladora assim, pois se me aprofundar em detalhes o livro perderá seu chame! O bom é se surpreender! O romance criado por Stephanie é maravilhoso. Os personagens tem química e me derreto por St. Clair. Ele é um fofo! Lindo, americano, meio francês que cresceu em Londres e que tem sotaque britânico, além de ser inteligente, cavalheiro, gentil... É melhor agilizar, pois poderia ficar o dia todo só citando suas qualidades. Enfim... Mas o melhor de tudo é que Perkins não fez um personagem perfeito e distante dos padrões humanos. Ele tem defeitos! Como ser baixinho (bate ai, Étienne!), contar com dentes um tanto tortos e ter também seus momentos de ira. Ou seja, a autora nos dá esperanças de arranjarmos St. Clair's da vida! 
A narrativa, confesso, é um tanto enrolada. Muitas vezes tinha que voltar no texto para entender quem havia falado e etc... Mas não foi a narrativa que me conquistou. Foi o romance. Foram os personagens, o cenário, ou seja, o clima do livro. 
Entrou facilmente pelos meus prediletos e agora estou com um sério medo de iniciar uma ressaca literária por ainda estar vivendo na estória de Anna. 
Peguei este livro para ler por causa da mídia em cima de Lola e o garoto da casa ao lado, que será lançado dia 15/11 pela editora Novo Conceito e agora eu sei por que a autora e o livro são amados por todos. Porque ambos são simplesmente sensacionais.  Este foi um livro que realmente marcou minha vida! =)
Só para deixar vocês com um gostinho a mais, o book trailer: 

quarta-feira, 7 de novembro de 2012

Tamanho é documento?

Oi, amores!
A quanto tempo não temos uma conversa? Não quando estou numa resenha, pois devo ter um olho crítico, mas em um fórum onde  demostro minha opinião, peço a de vocês e ficamos cada vez mais íntimos? Bem, acho que nunca fiz isso. Este diálogo que teremos não é uma coluna. É uma coisa bem informal, mesmo! Teremos diversos temas. Quando me sentir inspirada de escrever ou achar um assunto legal com certeza venho até aqui. E, como o blog é literário, e amo escrever sobre livros que li, ou séries que assisti, os assuntos serão sobre... Livros, séries e filmes! 

Inicialmente, gostaria de perguntar uma coisa à vocês... O que os leva a se interessar por um livro? Críticas positivas? Estórias instigantes? Perguntas misteriosas? Seu número de páginas? Opa! Deixei em dúvida muita gente com a última possibilidade. 
Pois sim! É sobre isso que vou abordar hoje. Afinal, tamanho é documento? 

Conheço muita gente que só ao ver um livro fininho já faz cara de nojo. Tive até uma amiga que assumia que tinha, sim, preconceito sobre um livro com menor número de páginas. 
Ok, entendo que a história pode ser mal aproveitada, mas isso pode acontecer tanto em um livro de 789 páginas quanto em um livro de 100 é um risco que corremos a todo momento! Não devemos julgar nada, nem um objeto, sem conhecermos. Defendo livros finos, pois já li livros encantadores de 100 páginas. Tanto, que foi com um desses que tomei gosto pela literatura. Na minha opinião, tamanho não é documento! Este ditado é ótimo! Vale para pessoas, livros e qualquer outro corpo que ocupe lugar no espaço! Aliás, se livros finos não fossem tão bons quanto livros grossos, como a saga de J. K. Rowling fez tanto sucesso se seu primeiro livro tem apenas 263 páginas? Então, digamos que "O Pequeno príncipe" (que conta com apenas 98 páginas) é uma farsa?  Traduzido para mais de 10 idiomas e com uma moral de arrepiar, mas este tipo de pessoa não vai ler a história deste principezinho, pois não alcança mais de 400 páginas. Me perdoe, mas não concordo com esse tipo de pensamento infantil, porque, além do mais, nos menores frascos contém os melhores perfumes
E vocês? Comentem? Estou iniciando uma discussão sobre esse assunto. Dê sua opinião nos comentários! 

domingo, 4 de novembro de 2012

Sessão Pipoca: Sem saída

Olá leitores, 
Estou aqui hoje para resenhar um filme que assisti ontem de madrugada, mas não pude conter a vontade de compartilhar com vocês estes 104 minutos de pura ação, aventura e, a melhor parte, romance. Sem saída com Taylor Lautner e Lily Collins. 


 O filme conta a história de Nathan, um adolescente como qualquer outro que corre perigo após ver sua foto em um site de crianças desaparecidas. Ele está a procura de respostas e fugindo do mais poderoso órgão público dos E.U.A, a C.I.A.  Tudo por conta de uma lista que está na posse de seus pais biológicos, mas o protagonista conta com ajuda de Karen, sua vizinha deste infância que desvenda deste o princípio com Nathan esta história. 
 O filme me ganhou pelo romance. Taylor e Lily tem uma química que costura toda trama. Já era muito fã de ambos os atores, mas em "Sem saída" se superaram. 
 A história é bem bolada, os atores são magníficos e o desfecho foi o melhor possível para o que coube na situação. Sem dúvida foi um dos melhores filmes que assisti em 2012. 

 

segunda-feira, 29 de outubro de 2012

Resenha: Para Sempre

Olá, amores!
Primeiramente, gostaria de agradecer a minha professora de português que me emprestou o livro que será resenhado hoje! Lucine, beijo para você! ♥ 



Esqueça Paige e Leo de que viu nos filmes. O livro conta a história de Kim e Krickitt Carpenter, dos jovens ambos cristãos que se conhecem por meio de uma encomenda que Kim havia feito pelo telefone para o outro lado do país. Confesso que se não fosse uma história verídica, eu acharia muito forçado este amor a primeira "voz"? Mas enfim... Não vamos questionar o amor, néh? 
Eles conversam, batem-papo e decidem se encontrar. Marcam a data e está tudo certo. E fica nisso,  então eles decidem casar-se. Mas o destino foi cruel com o jovem casal. Em um acidente de carro na estrada, eles se acidentam e após o ocorrido, Krickitt não se lembra mais de nada dos últimos meses. Ou seja, não lembra que é casada. Mas ao contrário do filme ela não se apaixona pelo ex-namorado nem nada do gênero. 
Eu gostei do livro. Não foi o melhor do ano, mas deu para dar uma descontraída.  O livro é bem fininho e a narrativa é bem simples e fácil de acompanhar, mas... Como o típico de biografia,  os autores fazem um agradecimento no meio de parágrafo, exemplo. 
Enfim é bem leve. Tirei uma tarde para ler e as páginas foram passando simultaneamente e quando reparei, havia terminado. 
Sem comentar que o livro me deu esperanças de que existem, sim, Kim's Carpenter's na vida real, só basta encontrar o seu! ;-)   Também é muito ligado a religião e este foi um dos pontos altos da narrativa. 

quarta-feira, 24 de outubro de 2012

Resenha: Do seu lado

Olá, leitores!
Estou aqui hoje para escrever a resenha de um livro magnífico. Que me prendeu mesma a primeira página, Do seu lado da Fernanda Saads. 


O livro conta a história de Sarah, uma jovem arquiteta comum que foi traída pelo namorado quatro anos antes do tempo da narrativa. 
Outro personagem muito importante é Igor, seu melhor amigo que conheceu na faculdade que é sinônimo de perfeição! 
As coisas estão tranquilas e calmas até então, mesmo que a protagonista demostrasse sempre que ainda não havia superado a traição e ainda sentia falta de Bruno, seu ex-namorado. 
E falando no ser... Ele retorna! Depois de quatro anos e parece afastar Sarah de Igor e conquistar novamente o coração da moça. 
A história, confesso, é clichê. Já pela sinopse já devem ter deduzido o resto da trama sem eu nem mesmo comentar. A típica história do namorado cafajeste e o melhor amigo bonzinho já foi mil vezes reproduzida até mesmo nos filmes da seção da tarde, porém isso não tem  a menor importância em comparação ao nível da narrativa. Fernanda tem talento com as palavras. Ela conseguiu me prender em um livro que um já sabia o fim! Mas pudera, néh? A história apesar de tudo é magnífica! Muito bem aproveitada e curtida, com o número ideal de páginas. Foi, com toda certeza, um dos melhores do ano. 
Sem comentar da diagramação. A capa é uma das mais belas da editora. Por dentro, em si, é normal, entretanto até no tamanho da letra eles deram dentro! 
Só não dei cinco estrelas por causa da história não ser surpreendente, mesmo. 
Leitura mais que recomendada!

sexta-feira, 19 de outubro de 2012

Homenagem: Harry Potter

Olá, galerinha! Olá, potterheads!
Hoje tenho aqui um post especial! Todos sabem que dia 12 foi dia das crianças, certo? Bem, pelo menos, espero que sim. Pois então, eu que, para matar curiosidade alheia, tenho 11 anos pedi meu presente. Adivinhem o que pedi? Ah, claro! O que qualquer fã de verdade pediria. A edição Harry Potter capa branca. Encomendei pelo Submarino e chegou alguns dia atrás. Estou pulando como uma criança que ganhou um brinquedo novo! Ei, eu sou uma criança que ganhou um "brinquedo" novo!
Enfim... Fiquei tão inspirada que decidi fazer uma postagem em homenagem a estes bruxinhos que me acompanharam até aqui. Que me fizeram sorrir e chorar diversas vezes. Que alegraram meus dias e noites. Que me fizeram crer que há um mundo ainda não explorado lá fora. Que me fizeram crer na magia da vida e me fizeram esperar até hoje minha carta para Hogwarts. 


Eles acompanharam minha infância. Fizeram-me ir, quando era bem jovem, ao cinema e me encantar com aquele universo paralelo repleto de magia, aventura e mistério que era tão próximo de nós. Fizeram-me chorar baldes no cinema quando os créditos do último filme subiram na tela. Aprendi com eles a acreditar que junto à pessoas que amamos vencemos a força do mal. Aprendi com Harry e Hermione que amizade entre meninos e meninas sem segundas intenções existe, sim. Com Luna Lovegood levei a lição de que não devemos levar a vida tão a sério, devemos ser gentil com as pessoas acima de tudo e manter a calma. Ah, e que ser diferente e lunático é bom às vezes. Sirius Black me fez enxergar que, se estamos certos, devemos fazer de tudo para provar isso, mesmo que contrarie o sistema. E Lord Voldmort é um exemplo de que devemos, todos, ter ganancia e correr atrás do que queremos, mas não podemos esquecer de nossa origem e valores, pois poder nenhum chega aos pés da amizade, carinho, amor... Essa galerinha me mostrou que sem empenho, determinação e coragem, não vamos algum, estaremos vivendo sempre a margem de nós mesmos. 
Estou chorando escrevendo este texto. Lembrando de cada noite lendo cada página dos livros. Vendo cada cena dos filmes. E hoje vejo que Harry Potter acompanhou minha geração. E nunca podemos deixar que ele se perca no tempo. Pois ficará na história, para eternidade, para sempre.  
E eu ainda espero o dia que irei pôr o Chapéu Seletor sob minha cabeça e ele gritará: CORVINAL! 

terça-feira, 16 de outubro de 2012

Pausa para um café com Tammy Luciano


Olá, amores! 
Faz tempo que não trago uma entrevista à vocês, néh? Perdão! Mas hoje, vou quitar esta dívida! Pois teremos uma entrevista com uma D-I-V-A, uma mulher totalmente gentil, divertida e amiga de todas as horas! Entrevista com Tammy Luciano! 



1° Como você começou a escrever?

Quando era criança brincava de escolinha com as amigas e nesse época me apaixonei por livros. Na adolescência comecei a escrever poemas, textos nas minhas agendas e não parei mais. Eu estava começando a trabalhar em teatro e também passei a escrever peças de teatro que foram fundamentais no aprendizado da escrita de ficção. Me formei em Artes Cênicas e Jornalismo, é bom saber que minha carreira de atriz acabou se misturando com minha escrita. Hoje além de escrever todo dia, atuo com meu grupo de teatro, escrevo peças para eles, viajo pelo Brasil todo com meus livros. Estou amando divulgar meus livros em cidades brasileiras e poder agradecer pessoalmente os leitores. Quando comecei a escrever não tinha ideia que seria tão bom!

2° Em relação a editora, foi difícil arranjar uma que publicasse seu livro? 

Eu nunca pensei em ser escritora de livro. Eu escrevia há dez anos, quando publiquei na internet uma crônica falando da morte da modelo Fernanda Vogel (em 2001). A mãe dela leu, adorou e surgiu o convite para o livro. Foi uma surpresa. Fiquei um ano e meio pesquisando e escrevendo o livro. Só depois da publicação, comecei a pensar que queria seguir a carreira. No primeiro livro, recebi sim da editora em uma semana, mas também recebi nãos. Eu fiquei nove anos na editora 7Letras antes do meu agente Bruno Borges encaminhar Garota Replay para a Novo Conceito e ele ser aprovado no Selo Novo Conceito Jovem (que agora se chama Novas Páginas). Não foi difícil, mas também não foi fácil, porque o meio literário precisa muita dedicação. Muita! Se algum leitor do Blog sonha em ser escritor, não desista, seja forte, capriche no seu texto, revise bastante, busca editoras que publicam livros no mesmo estilo que o seu e muito sucesso!

3° E a história foi imaginada antes ou surgiu a ideia ao decorrer da escrita? 

Eu começo a escrever pela personagem. É o sentimento de uma garota que me move a contar sua história. Gosto demais das personagens femininas, adoro as garotas em crise, com defeitos, no auge de suas crises, afinal essas meninas existem na vida real. Eu vejo meninas que namoram canalhas, são traídas, não conseguem terminar e sofrem muito por amor. Esses temas me atraem. Olho meninas que são inseguras, se julgam e gosto de imaginar que posso ajudá-las a terem uma vida mais feliz, trazendo reflexões com a minha literatura. Agora os detalhes do livro vão nascendo enquanto você escreve. É delicioso descobrir que a personagem tem vida através do seu pensamento.

4° Você inspirou algum personagem de seu livro?

As personagens passam a ter vida na minha vida depois que o livro é publicado. Nenhuma das minhas protagonistas se parece comigo, mas muitas vezes eu me coloco no lugar delas para imaginar o tamanho de suas dores. Também coloco as histórias que escuto, minhas amigas me contam suas histórias e acabam parando nos meus livros. Garota Replay começou comigo, um dia eu saí e vi uma garota com o cabelo parecido com o meu, aí surgiu a ideia, mas todo o resto na vida da Thizi é ficção. O Tito, que as garotas amam em Garota Replay, foi baseado no cara do bem que eu desejo para cada uma das leitores. Ele é maravilhoso, um cara super coerente, bacana, determinado, verdadeiro e o melhor é fiel.

5° Qual dica você daria para quem deseja virar um escritor? 

É preciso batalhar bastante e não desistir. Vale também estudar bastante o português, para quando a chance aparecer, você estar pronto. Ser escritor não é fácil, vejo muita gente desistindo da carreira, porque realmente é difícil. Existe muita espera, muita busca e é preciso muita paciência. E também precisa humildade para se avaliar, saber se você está realmente pronto. Muita gente manda livro para a editora com muito erro de português, história sem estrutura e isso acaba atrapalhando conseguir uma oportunidade. Paciência também é muito importante, porque a fama com livros demora. Eu só me sinto um pouco mais conhecida agora com o quarto livro e com certeza muita gente ainda não sabe que eu existo. Confesso que não fico muito preocupada com fama. Outras coisas tomam meu pensamento, como buscar ser ainda melhor na minha escrita, trabalhar com dedicação para os leitores que curtem meu trabalho e batalhar para a literatura nacional ser ainda mais conhecida... A fama é consequência disso tudo.


6° Quais são seus escritores prediletos e o que tem lido ultimamente? 

Tenho lido muitos autores nacionais, aliás nos últimos tempos eu comprei vários livros brasileiros. Tô com Amigas Imperfeitas da Leila Rego, Malas Memórias e Marshmallows da Fernanda França, Três Céus do Enderson Rafael, As Mais da Patrícia Barboza, Ser Clara da Janaína Rico, Perdida da Carina Rissi, O inverno das fadas da Carolina Munhóz... Também quero indicar meus colegas na Novo Conceito: O Sonho de Eva do Chico Anes, Do seu Lado da Fernanda Saads, A filha da minha mãe e eu da Maria Fernanda Guerreiro e O Preço de uma Lição do Federico Devito e Gutti Mendonça. Nossa, tem vários outros autores que se deixar a entrevista não termina nunca. Na Bienal, ganhei cinco livros de autores brasileiros que me presentearam com livros no estande da Novo Conceito: Se estiver ovulando, não vá ao shopping do Pedro Camargo, Ebulições da Cristiana Passinato, Ainda não te disse nada do Mauricio Gomyde, Outono de Sonhos da Adriana Brazil e Entre Amores Cruzados, de Vanessa de Cássia. Honestamente acho que os leitores que ainda não descobrindo a literatura nacional estão perdendo uma chance maravilhosa de curtir histórias ótimas. Mas estamos mudando isso e eu sou realmente dedicada a divulgar outros autores. Não somos concorrentes, somos parceiros em uma batalha do bem! Estamos positivamente juntos para mudar o hábito da leitura dos brasileiros.

7° Qual é a melhor parte de ser autora? 

A sensação de liberdade que é escrever e o carinho dos leitores. É bom demais saber que não estou mais nisso sozinha. Fico muito emocionada de receber retorno das pessoas, saber que a pessoa foi na livraria para comprar meu livro, receber recados todo dia de pessoas emocionadas com algo que escrevo. Tenho orgulho de ter fãs com um trabalho tão positivo como ser escritora. Além dos livros, eu vivo outras alegrias como leitores que adoram o Crônica Falada que gravo no meu Canal (www.youtube.com/tammyluciano) São textos que crio para ajudar minhas leitoras a serem ainda mais felizes e o retorno recebido é mágico. Tem também o meu Projeto Social, no qual tenho um grupo de teatro patrocinado pela LAMSA (Linha Amarela). Escrevi uma peça para o grupo e eles amaram. Fico feliz de poder contagiar as pessoas com o amor que tenho pela escrita e pela vida.


8° Um recadinho para os leitores do blog. 

Eu quero agradecer as pessoas com muitos obrigadas. Eu demorei muitos anos para conseguir o meu espaço, lutei muito, mas nada teria sentido se não fossem os meus leitores que fazem tudo valer a pena. A carreira do escritor é de muita dedicação, mas o apoio das pessoas faz valer cada passo. Muito sucesso para o Blog e que delícia imaginar que pessoas que amam os livros estarão lendo essa entrevista. Duda, linda, eu quero agradecer o seu carinho, você é uma garota que eu adorei conhecer e espero encontrar em muitos eventos. Sucesso nas leituras e na divulgação dos livros porque você faz isso muito bem aqui no Blog! Vamos ler que o Brasil precisa de muito mais leitores. Sejam sempre felizes! Beijinhos.

domingo, 14 de outubro de 2012

Sessão pipoca: Part of me

Olá, galerinha! Olá, Katycats! 
Aqui é a Duda e tenho em mãos uma resenha fresquinha! Que saiu do forno! Terminei agora a pouco de ver o filme da Katy Perry, Part of me e posso garantir que me rendeu boas emoções! 



Eu simplesmente amei o filme, mas, admito,  eu não era fã da Katy Perry. Na verdade, para mim, ela era apenas uma cantora comum. Gostava das músicas, queria ir aos shows e conhecê-la, porém não era uma Katycat. Bem, não era, pois agora sou. O jeito de trata os fãs, as pessoas que trabalham com ela, os amigos, a família... É um exemplo. 
Não gostei quando mostra que ela com a carreira acabou se distanciando de Deus, mas ela ao menos afirma que ainda o ama e está em seus caminhos... 
Minha música predileta da cantora é "Part of me", porém gosto também de "Firework" e "Last friday night". 
Repleto de emoção, lágrimas, vitórias, sorrisos, gargalhadas o documentário até agora foi o único que tive vontade de assistir. Até porque, gostava das músicas de Katy. 
Enfim... Super recomendado o documentário e digam "Olá" a mais nova Katycat! 

segunda-feira, 8 de outubro de 2012

Resenha: O Ladrão de Raios

Olá leitores, 
Estou aqui para resenhar um livro que, sem dúvida, entrou para meus prediletos facilmente, O Ladão de raios, volume 1 da série Percy Jackson e os olimpianos. 


O livro conta a história de Percy Jackson, um garoto nova-iorquino comum, quero dizer, nem tanto... Aos doze anos o menino descobre que é um meio-sangue, ou seja, que é um herói da Mitologia Grega e é acusado de roubar o raio mestre de Zeus, o objeto mais poderoso do mundo.  Perseu é enviado para o Acampamento meio-sangue onde treinam os heróis e de lá ele é mandado para uma missão recuperar o raio mestre e entregar ao deus dos deuses e resgatar sua mãe, que, durante a viagem para o acampamento, foi levada por Hades para o submundo. E, é claro, tem seus fieis escudeiros: Grover, um sátiro e Annabeth, filha de Atena, deusa da sabedoria.   
Eu não tenho palavras para descrever o quanto eu amo este livro! Sem dúvida foi um dos melhores do ano. E escrita é simples, suave e envolvente. Rick sabe como utilizar as palavras. 
Sem comentar da trama, cheia de ação, mistério, História, só faltou uma pitadinha de romance (se é que me entende, sr. Riordan). A estória também é muito bem bolada e é o que torna o livro marcante. 
Minha personagem predileta sem dúvida foi a Annabeth, gostaria de ser como ela, forte, decidida... Sem comentar que ela é filha da minha deusa grega favorita, Atena.
Estes dias estava vendo um debate sobre o livro no Skoob que me chamou muita atenção, o homem estava citando as semelhanças com a saga Harry Potter, até então não tinha reparado, mas a medida que ele citava os motivos ia caindo a ficha. O tema em si não há nada de semelhante, entre magia e mitologia há um grande espaço, mas se pararmos para analisar os detalhes há sim muitas semelhanças, o que não gostei no debate foi que o homem acusa o Rick de quer "pegar carona no sucesso" da J.K Rowling, achei esta parte totalmente sem nexo. Não vou me aprofundar em detalhes, se quiserem, me contatem no Twitter, Facebook, e-mail, via sinal de fumaça que eu respondo!  
Enfim... Leitura recomendada! =D  

quarta-feira, 26 de setembro de 2012

Sessão pipoca: A garota da capa vermelha

Olá leitores,
Hoje trouxe para vocês uma resenha de um filme da minha diva Amanda Sefrieyd, Garota da capa vermelha. Que, para quem não sabe, também é um livro (mandem a Duda - linda - fazer resenha dele ^_~).



O filme conta a história de Valerie, uma menina simples de uma aldeia que, por obrigação, terá que se casar com um homem rico, cuja sua irmã é apaixonada. E ainda por cima, nossa protagonista é apaixonada por um lenhador e cresceu com ela. Até que sua irmã é morta e então inicia-se uma sequência de mortes na aldeia causada por um lobo, que em um dos ataques se comunica com Valerie mostrando saber coisas do passado da garota que apenas os próximos a menina sabem...  

Então, deem seus palpites, quem será o lobo?  Porque ele não a ataca? E o filme é todo assim, este mistério que eu amo! Acho ele bem morninho, mas bacana de se ver naquela tarde chuvosa...  É uma versão de "Chapeuzinho vermelho" que deu certo e sem comentar que o elenco é perfeito! Veja, veja e veja! 

Legenda: Textos em      são de autoria de Duda Oliveira.


segunda-feira, 24 de setembro de 2012

Diário News #6

Olá leitores! 
O blog está um tanto carente dessa coluna, néh? Eu interrompi um pouco ela, pois não estava dando muito resultado e via claramente que gostavam de fazer comentários sobre livros nas resenhas. Mas como tenho novidades quentinhas não posso deixar esta coluna de fora! 



  Primeiramente, gostaria de dar um recadinho da Lívia, nossa colunista. Lembram-se do seu canal do Youtube? Então, está dando bastante resultado, se querem saber. Mas ela estreou uma nova coluna, pensando em vocês. 
  Todos nós temos ídolos literários, certo? Eu, por exemplo conheço bastante autores, mas a Lívia sabe que não são todos que tem esta oportunidade. Portanto criou a coluna "Se Liga no encontro" e nela você terá a chance de encontrar aquele seu ídolo literário! 
Segue algumas explicações da criadora:

"Nem todos tem a facilidade de encontrar um ídolo literário como eu e outros temos. Então, em uma brincadeira o canal Se Liga Leitora criou a coluna "Se Liga no encontro".Um quadro novo que fará encontrar aquele ídolo que você tanto admira. Mas lembre-se não sou uma fada, portanto nem todos pedidos poderão ser atendidos, porém farei o possível para que isso ocorra, combinado? Mande o mais rápido possível sua ficha de inscrição contendo: Data de nascimento, endereço, idade, nome completo e de quem você deseja conhecer. Sem esquecer de uma justificativa do porquê você quer conhecer o determinado autor. Envie sua inscrição para o e-mail: miallivi@hotmail.com"
 Outra novidade é da minha querida amiga, Camille Tomaz, ela é autora do livro Imaginário Feminino que, até então, era uma publicação independente. Mas este ano o livro foi abrigado na editora Dracaena. O livro parece ser super fofo e rápido de ler. Modificaram a capa e, quando soube, fiquei super triste! Entretanto, agora já pronta, não sei qual eu gosto mais! Hahahaha O jeitinho da autora é igual a primeira capa, meigo, delicado e super feminino, não é? Tive o prazer de conhecê-la em fevereiro e sou super fã.

     

Sinopse: 
O amado universo feminino é preenchido por mistérios e dá abertura para abordar os mais variados temas. É poderoso, pode mudar o rumo de uma história. Este universo jamais será desvendado: “Fato.” Pois bem, saiba que algo singular, nas entrelinhas de uma inteligente narrativa, transborda nas páginas desse livro. As palavras se traduzem em sentimentos, desilusões, vivências e passagens (aparentemente) tão cotidianas que atingem o belo mundo ao qual pertence o universo das paixões. A leitura é ininterrupta: “Comprove.” Atingirá a mente dos pensantes e o coração dos que já se apaixonaram, dos que estão em pleno prazer, ou, ainda, daqueles que se apaixonarão: nada de meio termo, todos estarão envolvidos. As histórias, ou a história, se reflete como um espelho no coração de cada leitor que se aventurar aqui. Às vezes leia por duas vezes uma mesma passagem, terá diferentes interpretações: “Aceite o desafio.” A autora trouxe um assunto delicado, ao mesmo tempo necessário. Utilizou de coisas simples para dar uma oportunidade para a reflexão e o desabafo; de encontrar o nosso “eu” — a tanto escondido, que interliga ou busca o sexo oposto. A linguagem, mesmo que simples, traz a mensagem subliminar: “Desvende.” Camille Thomaz pode ser jovem e uma autora iniciante, mas possui uma mente altamente elevada, graças a bagagem cultural que absorveu no apaixonante mundo dos livros. Essa é uma obra voltada à todos, seja para amar, pensar... Ou jamais esquecer: “Não duvide.”